Arcebispo de Évora: “A eutanásia e o suicídio assistido, Não!” (c/ Fotos e Vídeo)

 

Veja aqui a foto-reportagem da Eucaristia pelo dom da Vida (Fotos: Pedro Miguel Conceição/a defesa)

Reveja aqui a Eucaristia pelo dom da Vida (Live-Facebook)

 

*D. Francisco Senra Coelho presidiu, em Évora, a uma missa pelo dom da vida, na véspera do debate, no Parlamento, sobre o tema.

O arcebispo de Évora pediu esta quarta-feira, dia 19 de Fevereiro, a “auscultação do povo português” sobre a eutanásia e o suicídio assistido. D. Francisco Senra Coelho presidiu a uma Eucaristia, em Évora, para celebrar o dom da vida.

“É certo que os deputados são chamados a pronunciarem-se sobre assuntos que não constam dos seus programas eleitorais, mas a eutanásia e o suicídio assistido não são assuntos correntes”, alertou o prelado, recordando que “alguns dos grandes partidos” nem sequer incluíram o tema nos seus programas, “apenas para evitar a tensão provocada por este debate”.

Na homilia, na igreja do Espírito Santo e perante várias dezenas de cristãos, o arcebispo de Évora considerou que, embora a democracia representativa permita aos deputados legislar sobre a eutanásia, “eles próprios excluíram-se e escusaram-se da autoridade politica para tal, ao evitar estes temas”, no período de campanha eleitoral.

Face a esta situação, “só há uma resposta coerente”, diz o prelado, e passa por “uma auscultação do povo português, seja na próxima campanha eleitoral ou num referendo”, frisou.

Numa reflexão de carater social e política, D. Francisco Senra Coelho considerou “espantoso” que se venha agora propor uma morte digna, “num país onde muitos não têm habitação digna, um salário digno, e onde muitos outros continuam a ter que percorrer os caminhos da emigração”, em busca de melhores condições de vida.

Incisivo nas palavras, falou na existência de “muita eutanásia por antecipação”, que não é reconhecida como tal, mas “provoca a morte perante a própria vida”.

“A injustiça, a suspeita e a calunia não eutanasiam precocemente tantas vidas?”, questionou. “A eutanásia não é só quando se administra um produto para terminar com a vida de alguém”, observou, “mas é também quando se deixa um idoso abandonado, sem companhia, sem medicamentos, sem assistência”.

Para o prelado, a eutanásia pratica-se em demasiadas circunstâncias, como “na indiferença, no abandono, na solidão.”

Sem apontar o dedo a ninguém, mas deixando pistas para um debate alargado e profundo, D. Francisco manifestou-se a favor da alteração de algumas leis, quando isso for necessário para o bem comum, mas nunca daquelas que “protegem os alicerces como a vida, a dignidade da pessoa humana, a família, os indefesos”.

“Vivemos marcas muito fortes de indiferença e alheamento humanos e omissão”, notou, para mencionar a seguir que, “a banalidade da morte vai ao ponto dela ser equacionada.”

“A eutanásia e o suicídio assistido, agora e assim, não!”, concluiu o arcebispo D. Francisco Senra Coelho.

*Texto: Jornalista Rosário Silva,
Rádio Renascença

 

2_19_2020_Missa pela Vida_eutanasia (12) 2_19_2020_Missa pela Vida_eutanasia_ 2_19_2020_Missa pela Vida_eutanasia_1 2_19_2020_Missa pela Vida_eutanasia_2

Deixar um Comentário