D. Maurílio de Gouveia recordado pelo compromisso de cidadania

No passado dia 29 de Março, no 8º Dia do Funeral, na igreja do Espírito Santo, onde se encontra tumulado no Panteão dos Arcebispos, D. Maurílio de Gouveia, que faleceu no dia 19 de Março de 2019, foi recordado numa Eucaristia presidida pelo Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho.

Entretanto, nos dias após o falecimento do Arcebispo Emérito de Évora, várias entidades públicas recordaram D. Maurílio de Gouveia, nomeadamente, o Presidente da República, a Assembleia da República emitiu um voto de pesar por iniciativa do PSD, e os Presidentes das Câmaras Municipais de Évora e de Alcácer do Sal enviaram cartas de pêsames.

O presidente da República Portuguesa lamentou logo no dia 19 de Março o falecimento de D. Maurílio de Gouveia. “Exprimo as minhas sinceras condolências à sua Família, à Igreja portuguesa e, muito em particular, aos que tiveram o privilégio de o conhecer”, assinalou uma nota divulgada pela Presidência da República.

Marcelo Rebelo de Sousa evocou o antigo Arcebispo de Évora como uma “voz ponderada e experiente”, recordando “a sua inteligência discreta mas penetrante”.

“A presença de D. Maurílio fez-se sentir na sociedade portuguesa em alguns momentos decisivos da sua História recente, trazendo-lhe a marca de uma religiosidade profunda e amadurecida, de um conhecimento solidário e próximo de todos quantos buscam na mensagem evangélica uma fonte de apoio moral e espiritual”, escreveu Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente da República recordou a ligação do falecido Arcebispo à Madeira, onde nasceu em 1931, afirmando que D. Maurílio de Gouveia manteve “ao longo da sua trajetória de vida e do seu percurso espiritual, uma ligação profunda a essas raízes, à fé do povo madeirense que o acompanhou e por certo o iluminou em várias circunstâncias da sua existência”.

“Nesta hora de dor para a Igreja portuguesa, a esperança e a fé são lenitivos que devem consolar os portugueses que sentem a ausência da personalidade de D. Maurílio de Gouveia e do seu modelar exemplo de vida”, concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Por seu turno, no dia 21 de Março, a Assembleia da República aprovou um voto de pesar pelo falecimento do arcebispo emérito de Évora, D. Maurílio Gouveia, lembrando o “empenho pastoral” e o trabalho de “proximidade” junto das comunidades locais.

“Sorridente, delicado, educado, humano e com sentido de humor, aproximou-se das pessoas como Pastor e não com um discurso ideológico, numa postura até então pouco comum na Igreja portuguesa”, assinalou o texto, da responsabilidade dos deputados do grupo parlamentar do PSD, publicado na página da Internet do Parlamento.

O trabalho pastoral, executado ao longo de 26 anos, tiveram como “momento alto do seu ministério”, a visita do Papa João Paulo II ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Vila Viçosa, em 1982.
“A Assembleia da República reunida em plenário, exprime o seu pesar pelo falecimento de D. Maurílio de Gouveia, Arcebispo Emérito de Évora, e endereça as suas condolências aos seus familiares e à Igreja Católica”. O voto de pesar foi aprovado pelos deputados presentes no plenário da Assembleia da República e contou com a abstenção do Bloco de Esquerda.

Numa carta de pêsames enviada ao Arcebispo de Évora, o Presidente da Câmara Municpal de Évora escreveu que “é com profundo pesar que, em nome da Câmara Municipal de Évora e em meu nome pessoal, apresento sentidas condolências pelo falecimento de D. Maurílio de Gouveia”. Carlos Pinto e Sá recordou que o “Arcebispo Emérito de Évora, D. Maurílio de Gouveia foi agraciado com a Medalha de Mérito Municipal – Classe Ouro, a 29 de Junho de 2002, pela sua contribuição para a valorização e engrandecimento de Évora, do seu Concelho e das suas gentes”.

“Não podemos deixar de referir a proximidade com o povo alentejano, bem como a obra social que deixou no concelho de Évora”, acrescentou o Autarca.

“Gostaria também de manifestar a solidariedade desta Câmara Municipal para com os seus familiares. Peço que aceite, Senhor Arcebispo, o testemunho da minha mais alta consideração”, concluiu Carlos Pinto de Sá.

Por fim, o Presidente da Câmara Municipal de Alcácer do Sal, Vítor Proença, em carta enviada ao Arcebispo de Évora, escreveu: “Em meu nome pessoal e em nome do Município de Alcácer do Sal, venho pelo presente exprimir as minhas sinceras condolências em particular ao povo cristão e aos seus mais próximos pelo falecimento de D. Maurílio de Gouveia, Arcebispo Emérito que durante vinte sete anos dedicou empenhadamente a sua vida a esta região alentejana e de modo particular a este Concelho de Alcácer do Sal”.

Contactos