Évora: Festa do Sagrado Coração de Jesus 2019

No dia 28 de Junho, a Sé de Évora recebeu centenas de fiéis vindos de toda a arquidiocese de Évora para celebrarem, solenemente, a Festa do Sagrado Coração de Jesus, que coincidiu com a Jornada Mundial de Oração pela Santificação dos Sacerdotes (instituída por S. João Paulo II em 1995). Todos os Centros do Apostolado da Oração foram convidados a participar, activamente, trazendo os seus estandartes e insígnias, mas nem todos puderam comparecer. Estiveram presentes: S. Mamede, Sé, S. Brás, Nossa Senhora de Fátima e Nossa Senhora da Conceição (Évora), Elvas, S. Tiago Maior, Redondo, Mourão, Alcáçovas, Montemor-o-Novo, Mora e Pavia.

Recordo que o Vigário Geral, Cónego Eduardo Pereira da Silva, havia enviado a todos os sacerdotes uma recomendação, apoiada pelo Senhor Arcebispo, para que se associassem às celebrações propostas pelo Apostolado da Oração, para o dia 28 de Junho, no seguimento das sugestões sugeridas pela Congregação para o Clero: “que haja um momento de oração pelas necessidades dos sacerdotes e pela sua acção pastoral”. A resposta dos sacerdotes foi positiva, pois participaram nesta celebração cerca de vinte sacerdotes.

O arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho, presidiu pela primeira vez a esta festa litúrgica, que começou pelas 16,15 horas, com o canto de Vésperas e pregação a cargo do Padre jesuíta Domingos de Freitas. A eucaristia foi introduzida pelo cortejo litúrgico onde se incorporaram os estandartes do Apostolado da Oração das várias paróquias presentes e animada, musicalmente, pelo Grupo Coral Inter-Paroquial, proficientemente dirigido pelo seminarista Tiago, a quem agradecemos.

Como no último jornal de “a defesa” (3/07/2019), Pedro M. Conceição já deu a notícia desta celebração litúrgica, com particular saliência para a reflexão do Sr. Arcebispo, hoje apresento alguns extractos da pregação do P. Domingos de Freitas: “Quando olhamos para a Cruz de Cristo e só virmos sofrimento, quer dizer que ainda estamos só ao nível dos sentidos, que são exteriores e superficiais. Quando olhamos para a Cruz de Cristo e só virmos a morte enquanto aniquilação, quer dizer que ainda estamos só ao nível da periferia, à superfície do que aconteceu. Enquanto não virmos Amor quando contemplamos a Cruz de Cristo, isso significa que o nosso olhar ainda não foi transformado, purificado, ainda não passou o nível das sensações para se aproximar da interioridade e profundidade que é o registo do Amor que habita e preenche o nosso coração. À primeira parte, até um ateu ou um não crente é capaz de chegar. À segunda parte, só pela graça de Deus que atua em nós e nos confere essa possibilidade de uma transfiguração do olhar”.

Depois recordou as palavras de Jesus: «Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, que Eu hei-de aliviar-vos…Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.» (Mt 11, 28-30). Terminou dizendo, comentando as palavras de Jesus: “Aliviar-vos-ei das falsas seguranças para desenvolver em vós a confiança; aliviar-vos-ei das visões superficiais para uma leitura da vida em profundidade; aliviar-vos-ei do ruído e do excesso de palavras para o silêncio habitado do amor de Deus”.

Recordo que a celebração da Festa do Sagrado Coração de Jesus esteve integrada nas comemorações dos 175 anos da fundação do Apostolado da Oração, como também estarão integrados o Colóquio sobre o Coração de Jesus, a efectuar no dia 19 de Outubro, em Fátima e a Peregrinação Nacional do Apostolado da Oração, no dia 20 de Outubro, incluída no encerramento do ANO MISSIONÁRIO, proposto pela Conferência Episcopal Portuguesa.

Portanto, convido não só os associados do Apostolado da Oração, mas também todas as pessoas de boa vontade, a participar nestes dois eventos e assim manifestarem a sua sintonia com a Igreja missionária e a sua devoção ao Coração de Jesus. Que todas as paróquias da arquidiocese se mobilizem para todos irmos a Fátima.

P. Fernando Marques (Director Diocesano do A. O.)

Contactos