Reflexão do Arcebispo: Que as nossas vidas e as nossas comunidades proclamem bem alto que o Amor está vivo!

Reflexão Pastoral do Arcebispo de Évora após o debate e votação decorridos no Parlamento Português, dia 20 de Fevereiro:

Que as nossas vidas e as nossas comunidades proclamem bem alto que o Amor está vivo!

Porque nada do que é humano nos é indiferente, o debate e votação que decorreu no Parlamento Português, no passado dia 20 do corrente mês de Fevereiro, coloca-nos perante questões civilizacionais que a todos dizem respeito.

A nossa Fé pede-nos que saibamos dialogar com todos. Não nos cansemos de escutar, nem de falar com discernimento, assertividade e respeito, testemunhando a arte cristã de amar e celebrando a alegria libertadora do Evangelho, cujo fruto é sempre a Humanização.

Sabemos como a Fé Cristã procura oferecer sentido e cura para a existência humana, sobretudo em situações-limite de sofrimento. Só o Amor alarga horizontes e o sofrimento oferecido por Amor, num movimento oblativo e transformador, inspirado em Nosso Senhor Jesus Cristo, vence o absurdo da dor e da morte, pois de um “porquê”, passa-se ao “por quem” ou “com quem”.

Sem nada pretender ensinar, mas somente compartilhar, parece ser de admitir que o verdadeiro drama, para muitas pessoas, não consiste tanto no ter que sofrer, até pelas possibilidades que hoje felizmente os cuidados permanentes e paliativos já proporcionam, mas reside sobretudo no ter que sofrer sozinho, sem ninguém, e muitas vezes, sem nenhuma perspetiva que dê sentido à vida.

Assim, deve ressoar nos Cristãos, de modo renovado e incidente, o apelo a fazermo-nos presentes e a acompanhar quem sofre. Este ministério, mais do que uma boa acção é uma boa relação, mais do que uma ciência é uma arte que se aprende com Evangelho na escola da vida e se vai amadurecendo dia a dia, pela escuta de quem sofre só e para quem, muitas vezes, pedir a morte é um grito dilacerante contra o abandono à dor, e apelativo contra a dor do abandono.

Como nos lembra o Papa Francisco, é preciso continuar a suscitar em todos os ambientes humanos, o reconhecimento incondicional e incondicionado da Vida Humana, em todos os seus momentos e circunstâncias, concentrando a atenção de modo especial na gravidade do aborto e da eutanásia, sem, contudo, menosprezar os outros momentos ou aspectos da vida (cf. EG 85).

Seja claro, que para nós Cristãos, neste mundo, por vezes, é possível curar; é sempre possível aliviar; é sempre necessário e possível acompanhar e consolar. Assim, a eutanásia ou o suicídio assistido não são soluções para o sofrimento, mas o desrespeito pelo valor supremo da vida através da morte provocada.

Também a distanásia, obstinação terapêutica, recurso a meios desproporcionados e sem efeitos práticos para prolongar a vida vegetativa, não deve ser posta em prática, pois prolonga de forma artificial e penosa a vida.

Cristãmente, só faz sentido a ortotanásia ou morte natural, dando meios ao doente para viver até ao fim com dignidade. Por isso, aliviar a dor através de cuidados continuados e paliativos, acessíveis a todos, é um dever e um direito, a que a sociedade e o poder constituído deveríamos estar mais atentos.

Que nós Cristãos saibamos ler os sinais do nosso tempo e, com Cristo, caminhemos ao ritmo do coração e dos passos dos mais frágeis, fazendo-nos samaritanos e próximos de todos. Que cada uma das nossas comunidades cristãs despertem para a procura e o acolhimento de todos os fragilizados, sobretudo os doentes, os mais idosos, as pessoas com deficiência e os sós. Continuemos afincadamente a trabalhar pela promoção e defesa do valor inalienável da vida humana.

Não deixemos morrer a Esperança que levamos em nós e que a Humanidade tem direito de descobrir em nós. Afinal, somos Sinal do Amor de Deus para os Homens de hoje. Que as nossas vidas e as nossas comunidades proclamem bem alto que o Amor está vivo!

Évora, Quarta-Feira de Cinzas, 26 de Fevereiro de 2020

+Francisco José, Arcebispo de Évora.

Contactos