Às Terças Com...

O DOM DO DISCERNIMENTO VOCACIONAL

A próxima Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, em 2018, estará consagrada a refletir sobre “Os jovens, a fé e o discernimento”. Proponho a minha reflexão de hoje a partir do Documento Preparatório da Assembleia Sinodal: O dom do discernimento vocacional, no contesto da fé dos jovens.

O Documento referido é um convite à comunidade eclesial a acompanhar os jovens no seu caminho existencial para a maturidade, do forma que, através de um processo de discernimento, possam descobrir o seu projeto de vida e realizá-lo com alegria, abrindo-se ao encontro com Deus e com os homens e participando ativamente na edificação da Igreja e da sociedade.

O termo “vocação” está entendido em senso amplo, abrangente, mais além da vocação presbiteral ou religiosa. Vocação é a existência toda, onde o crente reconhece o chamamento de Deus sobre a sua pessoa e o seu projeto de vida, que há de se desenvolver ao longo de toda a existência. O que está mais em crise é o facto de se sentir chamado por Deus a uma determinada missão na vida, qualquer que ela seja. É a vocação cristã a que está em crise, não tanto esta ou aquela vocação. Está em crise o conceber a vida como resposta a um requerimento que vem de Deus, quer no sacerdócio, na vida religiosa, no matrimónio ou no compromisso social e político.

O discernimento vocacional é para toda vocação, porque não há fé sem vocação. A fé desabrocha em vocações concretas. O protagonista do discernimento vocacional é o próprio jovem, não o animador vocacional. O que hoje se espera do animador vocacional é principalmente que acompanhe o jovem para que seja o próprio jovem que faça o discernimento de si e da sua vocação. O animador vocacional que hoje precisamos é aquele que seja capaz de educar ao jovem para o discernimento.

Já em 2015 o Papa Francisco alertava profeticamente os bispos de Portugal: A Igreja em Portugal precisa de jovens capazes de dar resposta a Deus que os chama, para que volte a haver famílias cristãs estáveis e fecundas, consagrados e consagradas e sacerdotes imolados como Cristo pelos seus irmãos e irmãs.

Pe. Vicente Nieto