Nomeações do Arcebispo de Évora para o Ano Pastoral 2020/2021

12 de Julho, 18h, em Aviz: Arcebispo de Évora preside a Solene Concelebração de agradecimento pelo dom da vida do P. Francisco Pacheco Alves

No próximo Domingo, dia 12 de Julho, pelas 18 horas, na Igreja Paroquial de Aviz, a última sede Paroquial do Pe. Francisco Pacheco Alves na Arquidiocese de Évora, o Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho presidirá a uma Solene Concelebração, com o cântico do Oficio de Vésperas.

Nesta Solene Concelebração juntar-se-ão “representações das diversas Paróquias que o Rev.º Padre Francisco Pacheco paroquiou, agradecendo como Igreja Diocesana, o dom da sua vida e do seu Ministério”, conforme anunciou o Arcebispo de Évora na Mensagem que foi lida nas Exéquias do saudoso Sacerdote.

 

7_9_2020_Mensagem_Arcebispo_Exequias_Padre_Pacheco

Já pode ouvir o Ser Igreja de 12 de Julho: Conselhos Pastoral e Presbiteral e reflexão sobre a fome em destaque no programa deste Domingo

OIÇA AQUI NA ÍNTEGRA O PROGRAMA SER IGREJA DESTE DOMINGO DE 12 DE JULHO DE 2020

Na emissão de Ser Igreja deste Domingo, 12 de Julho, o destaque vai para os Conselhos Pastoral e Presbiteral da Arquidiocese de Évora que reuniram para reflectir sobre os impactos da Pandemia e começar a preparar o próximo Ano Pastoral. Oiça o desenvolvimento desta e de outras notícias no espaço informativo Espiga Doirada.

Destaque nesta emissão para a rubrica reflexos, da autoria do Cónego Manuel Madureira, o reflexo de hoje intitula-se “Nem só de Pão Vive o Homem”.

Neste programa contamos também com a rubrica semanal da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre sobre a realidade dos cristãos perseguidos no mundo.

Para finalizar teremos ainda o espaço Palavra na Vida, ao ritmo do Evangelho de cada domingo.

O programa Ser Igreja é um magazine radiofónico produzido semanalmente pelo Departamento de Comunicação da Arquidiocese de Évora.

Não perca este interessante programa que será emitido no domingo, dia 12 de Julho, a partir das 10h, nas seguintes rádios: Rádio Despertar (Voz de Estremoz) em 94.5 FM; e Rádio Telefonia do Alentejo (Évora) em 103.2 FM.

Pode ainda ouvir o Ser Igreja, produzido pela Arquidiocese de Évora, nas seguintes emissoras: Rádio Campanário (Voz de Vila Viçosa) em 90.6 FM; Rádio TDS – Telefonia do Sul (Setúbal, Alentejo e Lisboa.) em 93.9FM e 104.7FM; e Rádio Canção Nova em 103.7 FM, a partir de Fátima para a zona Centro de Portugal.

Contudo, esta emissão pode também ser ouvida on-line na página oficial da Arquidiocese de Évora em dioceseevora.pt ou na página de Facebook da Arquidiocese de Évora.

7 a 14 de Julho: Agenda Pastoral do Arcebispo de Évora

Actividades Pastorais do Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho, para os próximos dias:

Dias 7 a 10
– Participa no Retiro Anual do Clero da Arquidiocese, que se realizará no Seminário Maior de Évora.

Dia 11
– 17h00 – No Centro Pastoral Diocesano, em Vila Viçosa, preside ao encerramento do Retiro para Diáconos Permanentes.

Dia 12
– Acompanhando as paróquias cuja Visita Pastoral foi interrompida pelo estado de emergência da Pandemia da Covid-19, o Arcebispo de Évora celebra a Eucaristia dominical:
– 11h00 – Paróquia São Salvador (Elvas).
– 12h15 – Paróquia do Senhor da Boa Fé (Elvas).
– 18h00 – Na Igreja Paroquial de Aviz, a última sede Paroquial do Pe. Francisco Pacheco Alves na Arquidiocese de Évora, preside a uma Solene Concelebração, com o cântico do Oficio de Vésperas, de agradecimento pelo dom da vida do P. Francisco Pacheco Alves.

Dia 14
– Reunião do Conselho Executivo da Fundação Eugénio de Almeida, em Évora.

O P. Francisco Pacheco Alves partiu para a casa do Pai

O P. Francisco Pacheco Alves, de 86 anos de idade, faleceu na quarta-feira, dia 8 de Julho de 2020.

O Funeral realizou-se nesta quinta-feira, dia 9 de Julho, às 18h00, no Mosteiro de Ferreira, em Paços de Ferreira, tendo sido presidido por D. Armando Esteves Domingues, Bispo Auxiliar do Porto.

Nas exéquias foi lida a seguinte Mensagem do Arcebispo de Évora:

7_9_2020_Mensagem_Arcebispo_Exequias_Padre_Pacheco

O P. Francisco Pacheco Alves nasceu a 19 de Agosto de 1933. Era filho do sr. João Alves e da sra. Maria Pereira Pacheco.

Frequentou o Seminário de Évora, tendo sido ordenado presbítero a 29 de Junho de 1959, na Sé de Évora, por D. Manuel Trindade Salgueiro.

Celebrou Missa Nova a 2 de Julho de 1959, em São Pedro de Ferreira (Paços de Ferreira).

A 26 de Outubro de 1959 foi nomeado Coadjutor de Vendas Novas.

Um ano depois, a 3 de Outubro de 1960, foi nomeado Pároco de Vera Cruz e de Alqueva, no concelho de Portel.

A 7 de Outubro de 1981, foi nomeado Pároco de Oriola, juntamente com Alqueva e a capelania do Hospital.

Dois anos depois, a 18 de Agosto de 1983, foi nomeado Vigário Adjutor de Nossa Senhora da Lagoa (Portel) e de Sª das Neves (Amieira-Portel).

A 28 de Agosto de 1984, foi nomeado Pároco de Vaiamonte (Santo António) e de Assumar (Nossa Senhora da Graça).

A 15 de Agosto de 2000, foi nomeado Pároco de Avis, Benavila, Alcórrego, Maranhão e Casa Branca.

A 10 de Abril de 2015 foi nomeado Pároco de Valongo, mantendo as Paróquias de Alcórrego, Avis e Benavila.

Em 2017 ausentou-se da Arquidiocese e foi para Paços de Ferreira, onde vivia actualmente.

Padre Francisco Pacheco Alves (Foto: PMC/a defesa)

A 24 de Junho de 2009, em entrevista ao jornal “a defesa”, por ocasião das Bodas de Ouro Sacerdotais, o Pe. Francisco Pacheco Alves fez, na altura, a seguinte partilha de vida:

1 – Que sentimento o invade ao celebrar as Bodas de Ouro Sacerdotais?

Sentimento de louvor, agradecimento ao Deus que me chamou no ministério da sua Igreja e que tenho procurado corresponder, o que nem sempre consegui em pleno. Por isso, tenho que pedir perdão e agradecer a Deus por tudo o que de bom me tem dado.

2 – Destes 50 anos de vida sacerdotal e pastoral, o que é que destacaria?

Estive um ano em Vendas Novas como coadjutor do senhor P. José Maria Dias. Depois fui nomeado pelo senhor Arcebispo para Vera Cruz e Alqueva, no concelho de Portel, onde exerci durante 18 anos. Após essa missão fui para Portel, onde tomei conta de Oriola. Durante este tempo, 24 anos, naquele concelho, lembro-me da catequese, e de acções no meio dos jovens, com muitas aventuras.
Também fiz uma experiência muito grata com o Caminho Neocatecumenal. Porque o Senhor fez por mim, e com eles, grandes maravilhas. Em Monforte, onde estive de 1984 a 2000, sobretudo recordo a Catequese.
Ainda hoje os jovens lembram-se de mim e pedem para celebrar alguns acontecimentos das suas vidas com eles, o que faço com muito gosto, sempre com o intuito que o Senhor realize a missão que me confiou. Desde 2000 estou em Avis, onde tem sido um terreno um pouco árido, aos nossos olhos humanos, mas muito promissor, procurando realizar o que o Senhor se digna a fazer pela minha acção.

3 – Que sonhos e projectos tem para o futuro?

Estou quase como S. Paulo dizia, “combati o bom combate”, travei as minhas lutas, cumpri a vontade do meu Senhor, só me resta que o Senhor me dê, porque eu não mereço, o dom da Vida Eterna. Quero também dizer a Maria: Mãe muito obrigado por todas as graças que me concedestes, por me protegeres e amparares.
E desejo continuar a consagrar-me a nossa Senhora, cumprindo a vontade de Deus, nestas terras alentejanas.

7 a 10 de Julho: Retiro do Clero no Seminário de Évora (com fotos)

De 7 a 10 de Julho, como habitual, decorre o retiro do Clero da Arquidiocese no Seminário Maior de Évora. Devido ao tempo de pandemia que vivemos, o retiro será realizado em dois turnos, para que o número de participantes em cada turno seja mais reduzido, respeitando todas as normas sanitárias.
O Retiro começa no dia 7, pelas 10h, com a primeira meditação e termina dia 10, com a Eucaristia de Encerramento, presidida pelo Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho.
O orientador é o sacerdote jesuíta, Pe. Manuel Morujão, que foi secretário da Conferência Episcopal Portuguesa.

Conselho Pastoral Diocesano reflecte sobre os impactos da Pandemia

Na manhã do dia 4 de Julho decorreu uma Reunião Extraordinária do Conselho Pastoral Diocesano (CPD), no Seminário Maior de Évora, presidida pelo Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho.
A reunião iniciou com um momento de oração e a saudação do Prelado, na qual sublinhou que “não podemos estar num cristianismo sem redenção, neste momento que vivemos”.
“Somos convidados a fazer com que o Espírito actue em nós no sentido da Esperança. O Senhor guia-nos e no início deste Ano Pastoral deu-nos este lema ‘Discípulos Missionários da Esperança’, tendo-nos desafiado a procurar e acolher os sedentos da esperança.”, referiu o Prelado. “Temos que ser a pedra onde Cristo edifica a sua Igreja, ainda mais neste tempo, sabendo que o Senhor está connosco e actua através de nós”, concluiu o Arcebispo de Évora.
Após a aprovação da Acta da Reunião anterior, decorreu a apresentação do tema “Reflexão em contexto de pandemia”, pelo Cónego José Morais Palos, Presidente do Conselho Directivo do Instituto Superior de Teologia de Évora (ISTE), que começou por falar do surto pandémico, considerando que “certamente o ano de 2020 ficará para a história como o ano da pandemia”. Fez, de seguida, uma leitura sobre as iniciativas pastorais que foram desenvolvidas por força da pandemia, sublinhando a dimensão virtual e abordando algumas interpelações, quer no campo científico e ecológico, quer, sobretudo, a partir da Sagrada Escritura. Por fim, apresentou alguns desafios pastorais referindo que “os tempos que vivemos e que se avizinham são difíceis. Mesmo que a crise sanitária vá passando, há muitas consequências.”
Seguiu-se um momento de diálogo. Os membros do Conselho Pastoral Diocesano consideraram que perante a Pandemia a Igreja olhou sobretudo para as pessoas, para a sua segurança, procurando, no entanto, através da criatividade e das novas possibilidades digitais estar perto delas. Sublinharam a necessidade de cada cristão valorizar mais a espiritualidade, assentando a vida nos valores da Confiança, da Esperança e do Amor. Contudo, a acção sócio-caritativa da Igreja deve continuar a ser uma das prioridades da acção pastoral, sobretudo, pela crise económica que a Pandemia já está a causar. Assim como a Catequese deve ser outro sector a valorizar.
No encerramento da reunião, o Arcebispo de Évora ressaltou que a valorização da dimensão da família, como o último e mais seguro refúgio, foi outra das experiências desta pandemia, com “a valorização da família como igreja doméstica”, acrescentando também a importância das pequenas comunidades, que noutros tempos da história, particularmente no período das perseguições, foi determinante.
O Prelado partilhou ainda que “acredito que este tempo de pandemia, tal como os grandes conflitos mundiais do século passado, traga um novo tempo de fecundidade, de relançamento e de desafio para a Igreja”. “Impõe-se uma atitude interior de colocar o Senhor no centro da nossa vida e no centro do mundo”, apontou.
Na parte final da reunião, realizou-se a avaliação do Ano Pastoral, que teve como tema “Procurar e Acolher os Sedentos da Esperança”.
O Cónego Carlos Melo, coordenador da Pastoral diocesana, explicou aos membros do Conselho Pastoral que “com a Pandemia, o Plano Pastoral 2019/2020 não pode ser executado como estava previsto. Neste sentido, para o próximo Ano Pastoral 2020/2021, o tema que guiará a Arquidiocese de Évora será o mesmo, “Procurar e Acolher os Sedentos da Esperança.”
Na prática, o Triénio Pastoral que estava previsto para a Arquidiocese de Évora passará a Quadriénio Pastoral, porque este primeiro ano do triénio será prolongado por dois anos.
Por fim, o cónego Mário Tavares de Oliveira, que trabalhou na planificação do Programa Pastoral, explicou que o tema do Ano Pastoral continuará a ser o mesmo de 2019/2020, “Procurar e Acolher os Sedentos da Esperança”, e informou o documento de reflexão que estará na base do próximo Ano Pastoral terá também em conta o novo Directório da Catequese que foi apresentado recentemente em Roma e a comemoração do 5.º aniversário da Carta Encíclica “Laudato Si’” também integrará a temática na planificação do próximo Ano Pastoral.
As grandes acções diocesanas serão planificadas e concretizadas gradualmente e de acordo com as possibilidades de cada momento que vivemos, afiançou o cónego Mário Tavares de Oliveira.
“Acreditamos que o Senhor nos está a levar pela mão para nos encontrarmos com Ele”, concluiu o D. Francisco José Senra Coelho na sua mensagem final, em que agradeceu a presença de todos.

Conselho Presbiteral da Arquidiocese de Évora prepara o próximo Plano Pastoral

No dia 6 de Julho, o Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho presidiu à Reunião do Conselho Presbiteral Diocesano, que, durante a manhã reflectiu sobre os impactos a nível religioso e social da Pandemia, na Arquidiocese de Évora.
Durante a tarde, foi apresentado o esboço do Plano Pastoral para o próximo ano, que manterá o mesmo lema do corrente ano “Procurar e Acolher os Sedentos da Esperança”. Foram também alvo de reflexão vários assuntos da Arquidiocese e foram ainda apresentadas as contas da Arquidiocese pelo ecónomo, diácono José Carlos Carvalho.

 

Arcebispo confere Ministérios aos seminaristas do Seminário Redemptoris Mater de Évora

No dia 4 de Julho, pelas 18:30 horas, o Arcebispo de Évora, D. Francisco Senra Coelho, conferiu na paróquia da Senhora da Saúde, em Évora, vários ministérios a seminaristas do Seminário Redemptoris Matter de Évora. Foi admitido às Ordens Sacras o seminarista Carlos Corrales e foram instituídos no ministério de Leitor os seminaristas Rodrigo de Sousa Oliveira e José Pablo Messen.

 

Mora: Apostolado da Oração tem nova Direção

Foi com o coração em festa, que na missa celebrada, às 18 horas, do dia 29 de Junho, Solenidade de S. Pedro e S. Paulo, se realizou sob a presidência do nosso pároco, P. Nelson Fernandes, a tomada de posse da nova direção do Apostolado da Oração e ainda a consagração da nossa Comunidade ao Sagrado Coração de Jesus.
Foi um momento simples mas profundo e importante para a vida da paróquia; foi o momento para agradecer o serviço prestado, com zelo e dedicação, ao longo de cerca de três décadas à direcção cessante e para expressar a confiança nos que agora assumem funções.
O caminho espiritual proposto como apóstolos da oração é o caminho para o coração de Jesus aspirando a que nos conceda um coração semelhante ao Seu, cheio de misericórdia e amor, e diariamente rezar pelas intenções do Papa.
A oração chega a Deus quando é ditada pelo coração de quem ora, assim elevemos ao Senhor as nossas súplicas e louvores, pelo bem de todos nós, pelas intenções do Santo Padre e pela paz no mundo.
A Direção cessante, na pessoa a sra. D. Vitalina Serra, sublinhou que “é importante o rejuvenescer destes grupos, com gerações mais novas que vão entrando com propostas diferentes para chegar a um público mais juvenil”. “É com muita emoção que hoje completo mais um ciclo, dos muitos que já vivi durante a minha vida. Quero partilhar convosco que entrei para o Apostolado da Oração há 62 anos e há 28 ou 29 anos que abracei com muita dedicação e empenho a presidência do Apostolado da Oração na paróquia de Mora”.
“À nova Direção do Apostolado desejo as maiores felicidades e como diz o Santo Padre: “Cabe-nos a nós a responsabilidade de mostrar, com as nossas obras, que Cristo vive em nós e que ele é o nosso Senhor””, concluiu
A nova Direção na pessoa da sra. Marta Cansado, disse que “‘Segue-me’ é o imperativo de vida que nos é lançado no nosso contexto particular. No dia 8 de Dezembro de 1958 dava-se início a uma história comunitária e ao mesmo tempo particular: Daqueles que responderam com a sua vida a este convite e, por conseguinte, colocaram-na ao serviço dos irmãos. Foi lançada à terra a semente da qual muitos têm sido agricultores pacientes, entregues e orantes: o Centro do Apostolado da Oração da paróquia de Nossa Senhora da Graça, em Mora”, disse.
“‘Segue-me’. Testemunhas da correspondência a este imperativo, são as irmãs Vitalina, Joaquina e Elisa e demais associados que ao longo de vários anos, e até décadas, entregaram a sua vida na vivência deste feliz carisma”, sublinhou.

 

Nova Direcção

 

Direcção Cessante