Ordenação Sacerdotal do Irmão Marco Roscini

Reveja aqui a transmissão da celebração:

No decorrer do Ano Jubilar no Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, no Domingo passado, dia 13 de junho, foi ordenado sacerdote P. Marco Roscini, membro da Associação Mater Dei. A ordenação sacerdotal foi presidida pelo Arcebispo emérito D. José Alves, dado que o nosso Arcebispo D. Francisco Senra Coelho ainda se encontrava no hospital. O novo sacerdote tem 33 anos de idade e é natural de Civitavecchia (Roma). Após a licenciatura de técnico de radiologia entrou no Convento dos Pequenos Filhos da Mãe de Deus. Começou a sua formação na Universidade Pontifícia “Antonianum” de Roma completando os estudos de Teologia no Instituto Teológico de Assis, em Itália, onde os Pequenos Filhos da Mãe de Deus têm uma comunidade. Em setembro do ano passado foi ordenado Diácono pelo nosso Arcebispo D. Francisco, na Igreja de Nossa Senhora da Assunção, em Elvas. Exerceu o seu ministério diaconal colaborando, juntamente com os padres da sua Comunidade religiosa, nas paróquias confiadas aos cuidados pastorais do Cónego Fernando Afonso e do Padre António Carlos da Silva.
Depois das saudações iniciais, D. José Alves começou a sua homilia com um breve, mas significativo comentário às leituras que foram proclamadas, nomeadamente a Primeira Leitura e o Evangelho, sublinhando a relação entre a iniciativa humana e a ação de Deus que lhe dá continuidade e lhe proporciona condições para obter bons resultados. O homem tem uma iniciativa, mas é Deus, quem dá o incremento necessário para que esta iniciativa chegue a bom termo. Na parábola do semeador a iniciativa é do agricultor que lança a semente à terra, mas quem faz germinar a semente, crescer a espiga, amadurecer o grão não é o agricultor, mas Deus que é o Senhor da terra, do tempo, do espaço e do clima. O que agora é grande já foi pequeno, o que é forte já foi fraco, o que é poderoso, já foi débil. O início depende da iniciativa humana, mas a continuidade e os resultados finais ultrapassam o saber e o poder dos homens. Mesmo quando parece que o ser humano faz muito é uma ilusão, na realidade faz pouco. Mas este pouco que nós fazemos é indispensável para que o processo aconteça.
O presbítero há de ser um semeador incansável, – continuava o Arcebispo – semeador da Palavra, do perdão e do amor, lembrando o maravilhoso mistério do sacerdócio com estas palavras: «O presbítero a partir da imposição das mãos do Bispo na ordenação torna-se ministro de Cristo, fica identificado com o próprio Cristo no exercício do seu ministério e pode dizer com verdade as palavras de S. Paulo: «Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim» (Gl 2,20). O presbítero quando prega a Palavra, é Cristo que fala. Quando abençoa, é Cristo que abençoa. Quando admoesta, é Cristo que admoesta. Quando perdoa os pecados, é Cristo que perdoa. Quando celebra a Eucaristia, é Cristo que pronuncia as palavras da consagração. Quando se debruça sobre os que precisam de auxílio, é Cristo que auxilia. O presbítero, para onde quer que for, leva consigo o mistério do amor de Deus revelado em Jesus Cristo e perpetuado ao longo dos tempos através de homens frágeis e pecadores».
Por fim, dirigindo-se ao ordenado, concluiu: «Meu caro Marco, depois da ordenação presbiteral, continuando a ser a mesma pessoa que és neste momento, ficarás identificado com o próprio Cristo. As tuas palavras e os teus gestos sacramentais serão as palavras e os gestos de Cristo. Por isso, medita na grandeza da tua dignidade de ministro ordenado, mas sem esquecer a fragilidade da tua condição de pecador. Agradece quotidianamente o dom do sagrado sacerdócio, guarda-o no íntimo do teu coração e medita nele assiduamente para o compreenderes cada vez melhor e coloca toda a tua vida ao serviço deste dom sagrado. A partir de hoje Cristo habita em ti com todo o seu poder sacramental. Volta o teu olhar para Maria e pede-lhe que te ensine a seres portador de Jesus Cristo como Ela foi, servidor de Jesus Cristo nos irmãos como Ela serviu e também manteres-te unido a Jesus Cristo como Ela sempre esteve intimamente unida ao seu Filho».
No dia seguinte (14 de junho), o P. Marco celebrou a Missa Nova na Capelinha das Aparições, no Santuário de Fátima, para agradecer a Nossa Senhora por tão grande dom recebido e para entregar o seu sacerdócio à proteção materna do seu Coração Imaculado. Rezou por toda a Arquidiocese de Évora na qual prestará serviço e, de modo particular, pela rápida recuperação do nosso estimado Arcebispo, D. Francisco Senra Coelho. Desejamos ao novo Padre Marco Roscini um ministério fecundo ao serviço do Senhor e da sua Igreja.

Contactos