Arquidiocese de Évora enriquecida com duas Ordenações Diaconais (Com Fotos, Vídeo e Podcasts)

No dia 27 de novembro, às 17h, na igreja Matriz de Borba, o Arcebispo de Évora, D. Francisco José Senra Coelho, presidiu às ordenações diaconais dos seminaristas Rui Faia (Seminário Maior de Évora) e Jorge Palacios (Seminário Redemptoris Mater de Évora – Caminho Neocatecumenal), na celebração da Eucaristia do primeiro Domingo do Advento.

A Eucaristia foi concelebrada pelo Arcebispo de Évora Emérito, D. José Alves, e contou com a presença dos reitores dos dois Seminários, P. Luís Casares (Maior de Évora) e P. José Gomes (Redemptoris Mater de Évora), do Pároco de Borba, P. Alessandro Cont, e de um número significativo de sacerdotes do presbitério eborense e de outras dioceses, tendo sido servida por vários diáconos permanentes da Arquidiocese de Évora. A celebração, que foi animada liturgicamente pelo Caminho Neocatecumenal e transmitida em direto pelo canal do Youtube da Arquidiocese de Évora, contou com a participação de familiares, amigos e fiéis das comunidades por onde os neo diáconos já trabalharam e estão a trabalhar pastoralmente, nomeadamente Samora Correia (Rui Faia) e Borba (Jorge Palacios). Participaram ainda vários representantes de entidades civis e militares locais.

Antes da homilia, começaram os ritos de ordenação com a eleição dos candidatos, que consistiu na apresentação dos candidatos, feita pelo reitor do Seminário Redemptoris Mater de Évora, P. José Gomes.

À homilia, o Arcebispo de Évora começou por saudar “os carismas, movimentos, serviços eclesiais que desde a Catequese da infância, o aprofundamento sistemático da fé pela Teologia, até ao acompanhamento e ao amadurecimento vocacional tornaram possível esta celebração, fazem parte destes dois homens que hoje na sua liberdade sentem o chamamento de Deus que a Igreja confirma, conferindo-lhes o primeiro grau da ordem, o diaconado”.

“Um louvor ao Senhor por todos aqueles que testemunham a fé no contexto profissional de cidadania, com coragem, com profundo sentido de coerência tornam a Doutrina Social da Igreja presente muitas vezes em espaços que nos colocam numa espécie de diásporas de uma maioria que, no seu modo de ver a vida, desvaloriza a proposta que o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo há dois mil anos nos apresenta. Obrigado a todos os que sois leigos assumidos, na vossa cidadania, e sois presença da Igreja no mundo tão carente de fermento, de luz e de sal, de Evangelho e de humanização, do sentido profundo da descoberta daquilo que é ser Homem e ser Mulher na sua totalidade, no seu mistério, na sua grandeza e no seu respeito”, sublinhou.

Depois, o Prelado eborense evocou o tempo de Advento, como um “tempo favorável” para “dar graças a Deus” e fazer um exame de consciência. “É uma oportunidade para sermos mais e melhores”, acrescentou, apontando à necessidade de “propósitos e compromissos” de conversão. “O tempo de Advento, é tempo de vida nova, é tempo de recomeço”, desenvolveu.

“Queridos Irmãos Diáconos, caros Jorge e Rui, para devolver a esperança a este mundo ferido, devemos partir do nosso desejo de nos identificarmos com Cristo, de servir o próximo com o coração, o olhar, os gestos e as palavras de Jesus. Na medida em que nos sentirmos olhados amorosamente por Ele, seremos capazes de ajudar os outros, movidos por uma autêntica caridade. Reparai que Cristo vos olha e é no Seu olhar quotidiano, da vossa oração, sobretudo da Eucaristia, que encontrareis na vossa vida a disponibilidade para o serviço”, apelou o Prelado eborense.

“Que Maria, Mãe da Igreja, vos leve pela mão até Cristo e que o Seu olhar se fixe no vosso olhar para O verdes nos irmãos mais pobres e reduzidos ao silêncio e sem voz. Somente às periferias sociais e existenciais deveis dar preferência e privilégio. Descobri neles o olhar de Cristo que espera de vós gestos samaritanos. A vossa diaconia é a presença da Igreja, serva e mãe”, concluiu o Pelando eborense, agradecendo e felicitando as famílias dos neo diáconos: “Obrigado às famílias do Jorge e do Rui. Obrigado a todos os que souberam ser as mãos do oleiro, que é Jesus, para moldar os seus corações. Continuemos a acompanhá-los na oração em direção ao ministério do presbiterado.”

Depois da homilia, aconteceu o rito de Ordenação, com os candidatos a fazerem a promessa, respondendo a sete questões sobre a consagração ao serviço da Igreja, sobre a humildade e serviço dedicado ao povo e ao presbitério, guardar e anunciar o Evangelho, guardar o celibato, a promessa sobre a oração, a promessa de ser imitador de Cristo e a promessa de obediência.

Seguiu-se a prostração dos candidatos, a imposição das mãos e a oração de ordenação do Arcebispo de Évora.
Depois cada um recebeu a estola e a dalmática de Diácono. Por fim, receberam o Evangelho e o Ósculo da Paz do Arcebispo de Évora.

No final da celebração, cada um dos novos Diáconos agradeceu a todos os que contribuíram para que as suas ordenações fossem uma realidade.
Terminada a Eucaristia, os Diáconos Rui Faia e Jorge Palacios receberam os cumprimentos dos presentes, tendo-se seguido um ágape num espaço multiusos de Borba.

 


REVEJA AQUI A TRANSMISSÃO EM DIRECTO DA CELEBRAÇÃO DAS ORDENAÇÕES DIACONAIS

 


Pode ouvir aqui os Podcast com os testemunhos do Diácono Rui Faia e do Diácono Jorge Palacios:

 


Contactos