31 de dezembro a 30 de janeiro: Os Símbolos da Jornada Mundial da Juventude na Arquidiocese de Évora (com fotos, áudio e vídeo)

1 de janeiro de 2021 – Reguengos de Monsaraz acolheu os Símbolos da JMJ

 


31 de dezembro de 2021 – Recepção dos Símbolos da JMJ na Arquidiocese de Évora

 


Reportagem de Paulo Azadinho na recepção dos Símbolos na Arquidiocese de Évora:

 

Eucaristia de acolhimento aos Símbolos da JMJ – 31 de Dezembro de 2021:

 

 

Fotoreportagem do acolhimento dos símbolos na Arquidiocese de Évora:

 

 

A jovem Raquel Murcho, do Departamento da Pastoral Juvenil de Évora, explica nesta entrevista que Símbolos são estes e os principais momentos da sua visita à Arquidiocese:

 

Os Símbolos da Jornada Mundial da Juventude na Arquidiocese de Évora

Os Símbolos da JMJ chegam à Arquidiocese de Évora no dia 31 de dezembro (sexta-feira), e serão entregues pela Diocese de Beja. Este momento terá lugar em Reguengos de Monsaraz, pelas 15h00, e contará com a presença de jovens de ambas as dioceses.

O programa previsto para cada Paróquia e as fotografias dos vários momentos serão oportunamente divulgados nas redes sociais do Departamento da Pastoral Juvenil (Facebook e Instagram: @dpjevora), no entanto destacamos, para já, três momentos:

– 23PORMÊS: 23 de janeiro (domingo), em Montemor-o-Novo

– Encontro do COL e CODs: 29 de janeiro (sábado), em Évora

– Entrega dos Símbolos JMJ à Diocese de Portalegre-Castelo Branco: 30 de janeiro (domingo), em Évora

Há pressa no ar! Fiquem atentos!

Ao longo do mês de janeiro, a Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Senhora irão percorrer as várias Paróquias da nossa Diocese, de acordo com o seguinte itinerário:

 

Os Símbolos da Jornada Mundial da Juventude [1]

A Jornada Mundial da Juventude conta com dois símbolos que a acompanham e representam: a Cruz Peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani. Nos meses que antecedem cada JMJ, os símbolos partem em peregrinação para serem anunciadores do Evangelho e acompanharem os jovens, de forma especial, nas realidades em que vivem.

A receção e o acolhimento dos símbolos têm dado muitos frutos um pouco por todo o mundo. Em África, estes dois símbolos instaram os jovens a converterem-se numa geração não-violenta, encabeçaram várias marchas pela paz e foram tocados por milhares, que os saudaram também com os trajes típicos dos seus países. Ajudaram ainda a levar reconciliação onde havia tensão, como em Timor-Leste.

A Cruz peregrina

Com 3,8 metros de altura, a Cruz peregrina, construída a propósito do Ano Santo, em 1983, foi confiada por João Paulo II aos jovens no Domingo de Ramos do ano seguinte, para que fosse levada por todo o mundo. Desde aí, a Cruz peregrina, feita em madeira, iniciou uma peregrinação que já a levou aos cinco continentes e a quase 90 países. Tem sido encarada como um verdadeiro sinal de fé.

O ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani

Desde 2000 que a cruz peregrina conta com a companhia do ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani, que retrata a Virgem Maria com o Menino nos braços. Este ícone foi introduzido ainda pelo Papa João Paulo II como símbolo da presença de Maria junto dos jovens. Com 1,20 metros de altura e 80 centímetros de largura, o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani está associado a uma das mais populares devoções marianas em Itália. É antiga a tradição de o levar em procissão pelas ruas de Roma, para afastar perigos e desgraças ou pôr fim a pestes. O ícone original encontra-se na Basílica de Santa Maria Maior, em Roma, e é visitado pelo Papa Francisco que ali reza e deixa um ramo de flores, antes e depois de cada viagem apostólica.

[1] Fonte: https://www.lisboa2023.org/pt/sobre/os-simbolos-da-jmj

Contactos