Mensagem do Arcebispo de Évora à Paróquia de Samora Correia

Querida Comunidade Paroquial de Nossa Senhora da Oliveira de Samora Correia, nos seus centros de culto, Salão Paroquial e capelas dos Arados e de Porto Alto.

Saúdo-vos com especial afeto e proximidade neste momento muito doloroso para as Comunidades que constituem a Paróquia, para os envolvidos e as suas famílias, para o Reverendíssimo Padre Heliodoro Nuno, para mim mesmo, vosso Arcebispo, e para toda a Arquidiocese de Évora.

  1. No centro da nossa preocupação está a segurança das crianças e dos vulneráveis que é nosso dever garantir a todas as famílias cristãs e a todos encarregados de educação. Uma cultura de segurança na Igreja e nas suas atividades é o que importa recuperar e garantir. Esta é uma tarefa de todos nós.
  2. Neste sentido, informamos que a Comissão Diocesana de Proteção de Menores já contatou, na pessoa do seu Presidente, cada uma das famílias envolvidas nas situações ocorridas. Foi para nós muito grato contar com o acolhimento e a valorização das referidas famílias ao nosso contato.
  3. Registamos também o facto de que têm chegado à Arquidiocese inúmeras manifestações e garantias de impoluta seriedade e idoneidade do Reverendíssimo Padre Heliodoro Nuno. Reconhecemos a sinceridade e o direito a estas manifestações. Aguardemos serenamente as conclusões do processo em curso, confiantes na força da verdade e certos de que a Luz tudo clarificará.
  4. Esclarecemos no que se refere à suspensão, do Reverendíssimo Padre Heliodoro Nuno, que este afastamento da Paróquia deve ser compreendido numa “dimensão preventiva”, muito por causa do alarme social e que somente está ao serviço da averiguação. Não está ao serviço de qualquer punição; porque, de facto, todos nós temos direito ao esclarecimento da verdade e à presunção de inocência. Trata-se do cumprimento de normas de segurança para a Comunidade, para o próprio e para todos, emanadas pela autoridade competente.
  5. Apelamos às Comunidades que se unam em oração por todas as famílias em sofrimento e de todos os que se encontram envolvidos nesta difícil situação. Estai certos de que a Arquidiocese de Évora participa nesta oração, e que os seus diversos organismos e peritos se encontram a acompanhar em pormenor a evolução dos acontecimentos referentes a cada um dos intervenientes.
  6. Como Bispo, e na minha paternidade espiritual, cabe-me acompanhar a todos e, entre todos, também se encontra o Reverendíssimo Padre Heliodoro Nuno, o que tenho feito pessoal e diariamente.
  7. A vossa unidade nesta delicada situação, deve encontrar a sua referência nos párocos que nomeei provisoriamente (até setembro), os Srs. Reverendíssimos Padres Taras Goyvanyuk e Luís dos Santos.

Que a Nossa Senhora da Oliveira nos guarde a todos na serenidade, confiança, fortaleza e unidade.

Évora, 17 de julho de 2022

+ Francisco José Senra Coelho

(Arcebispo de Évora)

Contactos