Seminário Maior de Évora: Advento, um período que nos renova e nos transforma

Caros leitores, os acontecimentos mais importantes da nossa vida devem ser preparados e, quanto mais importantes são, tanto mais preparação exigem. Estamos a terminar o ano litúrgico. Com efeito, o calendário recorda-nos uma verdade fundamental: que o tempo é finito e que devemos estar preparados para a vinda de Cristo Salvador.
Nesta ocasião, gostaria de partilhar alguns pensamentos que nos possam ajudar a viver mais intensamente este belo tempo do Advento. Em primeiro lugar, é necessário fazermos uma paragem, porque muitas vezes a busca diária pelos bens terrenos e o foco excessivo nos negócios deste mundo não nos permitem elevar o olhar para o Céu, ou seja, fixar os nossos olhos no Deus misericordioso.
O Advento é tempo de preparação e espera. Durante a liturgia da Palavra deste tempo, muitas vezes ouviremos textos que acendem em nós o desejo da vinda do Senhor. O Advento é um tempo de dupla expectativa: a expectativa de celebrar o evento histórico do Natal de Cristo e a expectativa da segunda vinda de Jesus na glória celeste, no fim dos tempos. Na primeira vez, Ele veio secretamente, em silêncio, como o orvalho da manhã. Na segunda vez, virá com toda a Sua glória e esplendor, visível aos olhos de todos. Portanto, não nos detenhamos apenas na Sua primeira vinda, mas aguardemos também a segunda.
Além disso, o Advento é um tempo de alegre penitência. O espírito de consumismo e rotina ofusca a imagem de Deus, que é a origem e a finalidade de toda a criação. Assim, não permitamos que o espírito de Natal se transforme em autossatisfação. No Natal, não nos procuremos a nós mesmos, mas Àquele que nasceu para a nossa salvação. Por isso, durante o Advento, a Igreja convida todos para um jejum espiritual. O Advento é um tempo de espera alegre pelo Senhor. Por meio do jejum, da oração e de obras de misericórdia preparamos um lugar nos nossos corações para acolher o Deus menino. Já a preparação em si é cheia de alegria pela festa que irá acontecer. Portanto, a Igreja encoraja-nos a fazer propósitos individuais para viver este tempo.
Sabemos que o Advento é também um tempo de vigilância. Vigiar é estar em oração. Durante o Advento, a Igreja chama-nos a uma oração mais intensa – esta será a melhor preparação – para este período. Por isso, durante o Advento, procuremos com todas as nossas forças desviar os olhos da rotina diária, e encontrar Cristo onde Ele já nos espera: falemos com Jesus na oração; conheçamos o Messias numa passagem diária da Sagrada Escritura; procuremos Jesus na Santa Eucaristia; reconheçamos o Cristo pobre, abandonado por todos e sozinho nos nossos irmãos desamparados. Com estas palavras convido-vos a mergulhar com todo o entusiasmo neste mistério.
Que o Jesus vivo, que nos visitará nos mais necessitados, ocupe um lugar à nossa mesa. Coloquemo-nos diante de Deus em silêncio. Aprendamos o verdadeiro silêncio frutífero quando olharmos para o céu com as nossas cabeças erguidas, esperando a vinda do nosso Salvador.
Espero que esta reflexão nos ajude a viver este tempo de forma mais consciente, de modo que favoreça e prepare o nosso encontro com Cristo. Que o Senhor nos renove e inspire a fazermos propósitos firmes, para que possamos transformar os nossos corações e, deste modo, preparar os caminhos do Senhor.
Boa preparação e Feliz Natal!

Roman Buchak

Contactos